Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Internacional

A mulher que participou dos momentos mais importantes da história

Foto: Reprodução

Por: SBT News
Quando nasceu, Elizabeth Alexandra Mary não parecia destinada a uma função de tamanha importância. O avô, George V, era rei. Mas, na linha sucessória estava o tio, Edward VIII, que desistiu do trono para se casar com uma plebeia. Pior do que isso para a monarquia, uma mulher divorciada.

Então, aos 10 anos de idade, Elizabeth teve seu destino traçado. O pai, Albert, tornou-se rei. Em menos de 10 anos, problemas de saúde começaram a atrapalhar sua administração. Elizabeth já o substituía em eventos.

Foto: Wikimedia Commons

Como se não bastasse, Albert, então chamado de George VI, foi diagnosticado com um câncer no pulmão, que o matou quando Elizabeth ainda tinha 25 anos. Nessa época, ainda se discutiu se ela deveria acender ao trono. Afinal, uma mulher? Chegou a se cogitar se um primo não seria a melhor opção. Mas, o comportamento e o comprometimento de Elizabeth fizeram dela rainha em 6 de fevereiro de 1952.

Tímida. Porém, aguerrida

Em 1945, a Segunda Guerra Mundial já durava mais de cinco anos. Elizabeth tinha 19. A monarquia pretendia enviá-la na companhia da irmã, Margareth, para o Canadá, a fim de protegê-las. Mas ela queria o oposto, ajudar seu país.

Ingressou no exército, no Serviço Territorial Auxiliar das Mulheres, onde treinou como motorista e mecânica e recebeu o posto de comandante júnior honorário. Quando a bandeira branca foi levantada, ela e a irmã saíram às ruas, disfarçadas, para comemorar com os britânicos.

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Foto: Wikimedia Commons

Discreta. Mas, de coroação televisionada

Um ano depois da morte do pai, em 1953, Elizabeth seria coroada. Na época, a grande novidade era a televisão. O marido, Philip, teve a ideia de transmitir ao vivo.

Só no Reino Unido, estima-se que 27 milhões de pessoas assistiram à cerimônia. Outras 11 milhões ouviram pelo rádio. Ou seja, mais de 80% da população. A partir daí, eventos da família real passaram a ser transmitidos mundialmente, com bilhões de espectadores.

Foto: Wikimedia Commons

Moderada. Só que mudou a história

Desde 1913 um monarca britânico não visitava a Alemanha. Os dois países foram rivais nas duas guerras mundiais. Até que em 1965, ainda nos primeiros anos de mandato, Elizabeth teve um ato diplomático que marcou sua trajetória.

A rainha decidiu visitar a então Alemanha Ocidental, o lado alinhado ao ocidente e em oposição à Alemanha Oriental, alinhada à União Soviética. A viagem foi importante para a reconciliação entre os países.

O resultado da atitude dela influenciou a diplomacia no mundo, comenta o historiador especialista em monarquia, Renato Vieira: “Ela visitou mais de 150 países. Um trabalho de relações-públicas exemplar, iniciado em uma era que poucos chefes de estado viajavam”.

Acompanhou momentos históricos

“Em nome do povo britânico, saúdo a habilidade e a coragem que trouxeram o homem à Lua. Que esse esforço aumente o conhecimento e o bem-estar da humanidade”. Esse foi o recado de Elizabeth para a tripulação da Apollo 11, missão americana que levou o homem à lua pela primeira vez, em 1969.

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Foto: Wikimedia Commons

Elizabeth ainda acompanhou momentos históricos como os conflitos no Vietnã. Ou melhor, apoiou enviando tropas militares. Tanto que nesse episódio, de 1969, o ex-beatle John Lennon acabou devolvendo a medalha de Ordem do Império Britânico com a seguinte mensagem: “Sua Majestade, estou devolvendo esta medalha em protesto contra o envolvimento da Grã-Bretanha no caso da Nigéria-Biafra, contra nosso apoio aos Estados Unidos no Vietnã e contra a queda de Cold Turkey nas paradas. Com amor, John Lennon of Bag”.

Mais recentemente, em 2003, a rainha se envolveu na invasão dos Estados Unidos ao Iraque de Saddam Hussein, com o objetivo acabar com a ditadura. A tropa britânica tinha 45 mil soldados.

O envolvimento, mesmo que comedido, nos acontecimentos mais importantes dos séculos XX e XXI, além da postura serena quanto às movimentações da família, mesmo em meio às polêmicas, fez de Elizabeth uma rainha popular e — o mais impressionante — por tanto tempo. “O aspecto mais importante de seu reinado foi o incrível feito de cumprir seu papel justamente como a população esperava dela”, analisa o historiador.

Notícias relacionadas

Polícia

 Um homem identificado como Juan Martinez, de 62 anos, morreu após se afogar na praia de Ponta Negra, Zona Sul de Natal, na manhã...

Brasil

Conhecida como Lua de Neve, acontece neste sábado (24), a Lua cheia de fevereiro, “microlua”- a menor de 2024, de acordo com o guia...

Brasil

 O empresário responsável pelo Grupo Pão de Açúcar, Abilio Diniz, faleceu no domingo (18), vítima de uma insuficiência respiratória causada por pneumonite, em São...

Brasil

O empresário Abílio Diniz morreu aos 87 anos, neste domingo (18), em São Paulo. Ele foi internado no Hospital Albert Einstein com um quadro...

Publicidade

Copyright © 2022 TV Ponta Negra.
Desenvolvido por Pixel Project.

X
AO VIVO