Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Cidades

Estudo da UFRN identifica piora nos indicadores do mercado de trabalho em 3 estados durante a pandemia

Foto: Rovena Rosa

Um estudo conduzido por Rislene Kátia de Sousa, durante seu mestrado no Programa de Pós-Graduação em Demografia (PPGDem/UFRN), teve como objetivo analisar as diferenças no mercado de trabalho do SS antes e durante a pandemia, levando em consideração as unidades da Federação que compõem a região. Para isso, a pesquisadora utilizou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-Contínua), referente ao 3º trimestre de 2019, 2020 e 2021 que captam o cenário pré-pandemia e os dois primeiros anos da crise sanitária.

Os resultados revelaram uma piora nos principais indicadores do mercado de trabalho durante a pandemia na região do Semiárido Setentrional. No 3º trimestre de 2019, cerca de 49% dessa população em idade ativa estava fora da força de trabalho. Um ano depois, com a chegada da pandemia, houve a expulsão de 1,1 milhão de trabalhadores, levando a uma taxa de participação de 43,9%. Houve uma leve recuperação no 3º trimestre de 2021 quando a taxa alcançou 48,3%, porém ainda inferior ao observado antes da pandemia. “Esses impactos aparecem principalmente no quadro socioeconômico das famílias brasileiras, que já se encontravam em situação de aumento de vulnerabilidades”, afirma a pesquisadora.

Quanto ao desemprego, a taxa de desocupação piorou em 2020 (15,4%) e se recuperou ligeiramente em 2021 (14,6%), mas ainda permaneceu em patamar mais elevado em comparação ao período anterior à pandemia (12,4%). Embora a calamidade sanitária tenha afetado toda a região, houve variações entre os estados que compõem a parte mais ao norte do semiárido brasileiro.

As microrregiões pertencentes ao Rio Grande do Norte (RN) e a Pernambuco (PE) foram as mais afetadas. De acordo com a pesquisa, os diferentes resultados no mercado de trabalho entre as unidades da Federação que compõem o SS indicam possíveis diferenças na eficácia das políticas públicas em atenuar os impactos negativos da pandemia. No entanto, estas diferenças são notáveis.

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Nas microrregiões pertencentes ao RN e a PE, por exemplo, foram observados os mais elevados níveis de desemprego no 3º trimestre de 2020, com taxas de desocupação de 18,5% e 18,3%, respectivamente. Já a menor taxa de desocupação, no mesmo período, foi registrada na região do semiárido, localizada no Ceará.

Outro dado preocupante é a taxa combinada de desocupação e subocupação por insuficiência de horas trabalhadas. A microrregião do semiárido setentrional localizada no Piauí apresentou o pior cenário nesse aspecto, alcançando 36,1% no 3º trimestre de 2020. Esses resultados apontam para a necessidade de ações específicas e direcionadas para cada estado, considerando as diferenças em termos de políticas públicas que podem ter atenuado ou agravado os impactos negativos da pandemia no mercado de trabalho.

Fonte: Portal da UFRN

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Notícias relacionadas

Educação

Uma pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), confirmou uma interação entre o risco de predação e a disponibilidade de alimentos,...

Educação

Os professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) entram em greve por tempo indeterminado a partir da próxima segunda-feira (22). Nesta...

Política

A primeira fase, de um total de três etapas da Infovia Potiguar, foi inaugurada nesta segunda-feira (08). A iniciativa visa democratizar o acesso da...

Educação

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) lançou editais de seleção para mestrado e doutorado em diversos cursos. As inscrições do Programa...

Publicidade

Copyright © 2022 TV Ponta Negra.
Desenvolvido por Pixel Project.

X
AO VIVO