Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Polícia

“Ele foi frio, e pior ainda quando se faz de doido”, relata mãe de psicóloga assassinada sobre suspeito

Foto: Reprodução/Instagram

Dalva Maia jamais imaginou que o dia 23 de abril de 2024 seria a última vez que ela falaria com a filha, Fabiana Maia. O relógio da câmera de vigilância da clínica marcava 16h42, hora em que a psicóloga recebeu João Batista no estabelecimento e depois foi encontrada morta com sinais de crueldade. Quinze dias após o crime, Dalva Maia conversou com o repórter Rogério Fernandes, do Patrulha da Cidade, nesta quarta-feira (8).

“Ele foi frio demais, quando planejou, executou e pior ainda quando se faz de doido”, afirmou dona Dalva quando questionada sobre o principal suspeito pelo assassinato de sua filha, o servidor do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, João Batista Carvalho Neto, 41 anos.

Motivação

A mãe da psicóloga não acredita que teve motivação para o crime. Ela afirma que a filha não falava sobre a amiga que era ex-namorada de João, nem sobre ele. “Ela não me falou sobre nenhum perigo, ou que tenha sido ameaçada por ele, ou por qualquer outra pessoa. Ela abriu a porta para ele como abriria para outra pessoa. Ali era a clínica e ela dizia que não podia deixar as pessoas sem atendimento e que era muito gratificante ver uma pessoa chegar cheia de problemas e sair feliz,” explicou.

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Saudade

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

“O tempo vai passando e a dor não diminui. A dor é maior, a saudade é maior”. Dona Dalva fala que é difícil encarar o dia a dia sem a filha, e que a neta sente muita falta da mãe. “Marina, a filhinha dela, que é especial, ontem à noite chorou tanto dizendo que estava com muita saudade. Isso torna tudo muito mais difícil”, relatou.

A mãe de Fabiana contou que a rotina da filha era na clínica, trabalhando de domingo a domingo; na fazenda com a família e na academia. “Minha filha era uma pessoa boa, cuidava muito da família e amava a profissão. Era querida por todos”, disse.

Para o suspeito

“Eu nem sei o que falar sobre tanta crueldade. Não tenho o que falar para ele. Não tenho vontade. Quero apenas que a justiça seja feita”, falou Dalva Maia. “Eu acredito que minha filha está ao lado de Deus. Que ela descanse em paz e o que eu puder fazer aqui, cuidar para que Marina fique bem, vou fazer. O luto é eterno. Jamais vai passar”, finalizou.

Por Marline Negreiros, do Ponta Negra News 

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Entrevista: Rogério Fernandes
Imagens: Maurício Teixeira
Produção: Loryani Solano

Notícias relacionadas

Patrulha da Cidade

“Arrancaram tudo que tinha direito de mim. Eu acredito que um bandido desse, um marginal desse, nem tem pai, nem tem mãe. Se eu...

Cidades

Um caminhão carregado com gesso capotou na manhã desta segunda-feira (15) na BR-304, em Assú. O veículo chegou a interditar a via. O trânsito...

Patrulha da Cidade

A comerciante Ana Queiroz teve sua residência destruída por um incêndio no bairro Cajupiranga, em Parnamirim. Segundo o Corpo de Bombeiros, um vazamento de...

Patrulha da Cidade

O apresentador @mariocesartv saiu do estúdio e foi até o bairro das Quintas, na Zona Oeste de Natal, para conhecer um fã do fundador...

Publicidade

Copyright © 2022 TV Ponta Negra.
Desenvolvido por Pixel Project.

X
AO VIVO