Conecte com a gente

Olá, o que você está procurando?

Celebridades

Entenda o que é a Síndrome da Pessoa Rígida, que afeta a cantora Céline Dion

Foto: @PrimeVideoBR / Reprodução, Instagram

“Não vou parar”. Com voz embargada, é assim que a cantora Céline Dion, de 56 anos, fala sobre as dificuldades enfrentadas após ser diagnosticada com uma síndrome neurológica rara e incurável, em 2022, no documentário “Eu sou: Céline Dion”, que estreou nesta terça-feira (25) na Prime Video.

Leia também:
Cariúcha tem alta do hospital após retirar miomas: “Eu vivo de milagres”

A Síndrome da Pessoa Rígida obrigou a canadense, voz de sucessos como “My Heart Will Go On”, da trilha sonora de Titanic (1997), a se afastar dos palcos. A doença neurológica faz com que a musculatura fique enrijecida, além de causar espasmos e dores musculares.

No longa, a artista – que vendeu mais de 250 milhões de álbuns ao longo de sua carreira – afirma que está “trabalhando muito” para voltar aos palcos. “Sinto muita falta disso. Das pessoas. Sinto falta delas”, diz Céline.

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Para entender melhor a condição enfrentada por Céline Dion, o SBT News conversou com o médico Lucio Huebra, neurologista do Hospital Sírio-Libanês.

Segundo o médico, a Síndrome da Pessoa Rígida é uma doença autoimune muito rara, que atinge cerca de 1 a 2 pessoas a cada milhão de habitantes. Seu início geralmente ocorre entre os 30 e 50 anos, com as mulheres sendo duas vezes mais atingidas.

Anticorpos são produzidos de forma indevida pelo corpo e atacam uma enzima chamada GAD, o que diminui a produção de um neurotransmissor fundamental para o relaxamento muscular. Com o enrijecimento da musculatura, principalmente na parte do tronco e nos membros, os pacientes começam a ter dificuldade para caminhar, além de apresentarem espasmos e dores musculares.

A doença é crônica e incurável, explica o doutor Huebra. Porém, tratamentos como a infusão de imunoglobulina e o uso de medicamentos imunomoduladores garantem a melhora dos sintomas e evitam a progressão da síndrome.

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

“Além disso, diversos outros medicamentos são usados para melhora da qualidade de vida e conforto do paciente, aliviando a rigidez muscular, dores e os espasmos”, diz o neurologista.

“Ainda não consigo usar minha voz”, diz Céline. No documentário, a cantora – ganhadora de 5 Grammys – desabafa que sente falta do contato com o público e de subir em um palco para cantar. “Ainda não consigo usar minha voz”, revela Céline.

Veja o trailer

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Segundo o médico Lucio Huebra, isso acontece porque a Síndrome da Pessoa Rígida causa um enrijecimento da caixa torácica, dificultando assim os movimentos respiratórios que são importantes para a emissão da voz.

“Os pacientes apresentam ainda espasmos frequentes desta musculatura, o que pode também atrapalhar o controle do ar durante a vocalização”, afirma o neurologista.

SBT News

Anúncio. Rolar para continuar lendo.

Notícias relacionadas

Celebridades

A cantora Iza anunciou em suas redes sociais, na quarta-feira (10), que se separou do jogador de futebol Yuri Lima. Iza está grávida de...

Celebridades

Morreu na madrugada desta terça-feira (9), o filho mais novo do cantor Zé Vaqueiro e da influenciadora Ingra Soares, o bebê Arthur, que tinha...

Celebridades

Morreu nesta sexta-feira (21) dona Celeste Arantes, a mãe de Edson Arantes do Nascimento “Pelé”, aos 101 anos, em Santos, no litoral paulista. A...

Celebridades

Morreu em Miami nesta quinta-feira (20) o ator Donald Sutherland, aos 88 anos. O ator ficou conhecido por sua atuação em filmes como “Jogos...

Publicidade

Copyright © 2022 TV Ponta Negra.
Desenvolvido por Pixel Project.

X
AO VIVO